Milagre; bebê nasce com meio coração e sobrevive à cirurgia!

PUBLICIDADE

Este bebê nasceu com apenas meio coração, e com apenas 4 dias de nascido ele milagrosamente sobreviveu  à cirurgia.

Depois do primeiro grande desafio de sua vida superado, sua família olha para o futuro de seus filhos – e está pronta para enfrentar qualquer desafio pela frente.

PUBLICIDADE

Reggie Aslin, de Leeds, Inglaterra, nasceu com uma doença rara chamada síndrome do coração esquerdo hipoplásico (SCEH), em que um coração formado de forma inadequada é incapaz de fornecer fluxo sanguíneo adequado por todo o corpo.

Para que o pequeno Reggie tivesse uma qualidade de vida razoável, foi preciso fazer a cirurgia de coração alguns dias após o nascimento, para que o sangue circulasse com mais eficiência.

PUBLICIDADE

No entanto, mesmo que o bebê sobrevivesse ao procedimento arriscado, ainda assim ele provavelmente não viveria além de sua adolescência.

Seus pais, Lee e Michelle Alsin, de 35 e 34 anos – que tentaram engravidar nos últimos seis anos – ficaram arrasados ​​ao saber sobre o problema cardíaco de seu bebê recém-nascido, de um exame feito com 20 semanas de gravidez. Os médicos lhes disseram que seu filho não tinha mais do que 50% de chance de sobrevivência. No entanto, os dois pais decidiram não fazer um aborto.

PUBLICIDADE

O bebê nasceu através de cesariana em 1 de setembro deste ano, então, com apenas quatro dias de nascido, o pequeno Reggie passou por uma cirurgia no coração – o primeiro estágio de um procedimento “Norwood” de três etapas, que essencialmente faz com que o lado direito do coração faça o trabalho da esquerda.

O procedimento “reescreve” o ventrículo direito para bombear o sangue vermelho oxigenado por todo o corpo, enquanto o sangue azul não oxigenado é permitido fluir diretamente para os pulmões.

No entanto, apenas cerca de 60 por cento de todos os pacientes sobrevivem a todas as três etapas do procedimento.

PUBLICIDADE

Embora a árdua operação de 9 horas tenha deixado uma enorme cicatriz na frente do peito, o bebê sobreviveu milagrosamente ao estágio mais difícil do tratamento em três etapas, e havia motivos para ser otimista.

“A primeira operação é sempre a mais perigosa porque é a mais longa e complexa, então esse foi o maior obstáculo,  ele conseguiu resistir, nós temos toda a confiança no mundo que ele vai superar. Ele passou por mais aprovações em sua recente vida do que passaria em 35 anos. Ele é definitivamente um pequeno lutador ”. Disse o médico.

Para a felicidade da família Aslin, o pequeno Reggie foi autorizado a voltar para casa depois de ter passado as primeiras seis semanas de vida na Enfermaria Real de Leeds. Sua mãe e pai carinhoso ficaram ao seu lado o tempo todo.

Felizmente, eles puderam trazer seu filho para casa para celebrar seu primeiro natal juntos há alguns meses. Michelle também tem uma filha de 13 anos, Katelyn.

“Significa muito tê-lo aqui e, por mais tempo que tenhamos com ele, seja dois meses, um ano, dez anos ou mais, ficamos felizes por esse pouco tempo”, disse Michelle.

“Nós vamos dar a ele tanto amor e tantas memórias quanto pudermos. Ele terá a melhor vida que ele pode ter, esperamos que nos próximos 19 ou 20 anos, algo mais venha para ajudá-lo. Se ele não quiser mais lutar, essa é a escolha dele – não é mais ninguém para fazer.” Completou.

A família está agora olhando para o futuro e esperando que haja mais avanços na medicina, o que permitiria a Reggie viver além de sua limitada expectativa de vida.

Mesmo quando a perspectiva é sombria, faz parte de nossa natureza humana oferecer esperança e amar aqueles que são queridos em nossos corações, mesmo que haja apenas um fio de esperança, nós lhes daremos esperança!

Imagine se toda a especulação negativa estivesse errada! Imagine se, apesar de todas as probabilidades, nossos entes queridos conseguirem! Tais coisas acontecem com frequência, e isso nos diz que é mais sensato pensar com o coração do que com a cabeça.

Afinal nada para Deus é impossível e pode acontecer um segundo milagre em sua vida!

Escrito por Redator