Menina de 6 anos volta a caminhar depois de receber diagnostico que 99% do seu cérebro estava morto

PUBLICIDADE

Um caso que aconteceu na Austrália está chamando a atenção de pessoas do mundo inteiro. Acontece que uma garotinha estava completamente sem vida por oito meses. Segundo os médicos 99% do cérebro da menina teria morrido. Porém, ela desafiou todas as expectativas e se tornou conhecida como “a garota milagrosa”.

Mackinlee Anderson tem apenas seis anos de idade e no mês de setembro de 2017 ela acabou se envolvendo em um acidente gravíssimo, que inclusive sua própria avó foi vitimada vindo a óbito. Além disso, seu irmão e sua mãe ficaram com grandes ferimentos, porém sobreviveram. O acidente aconteceu exatamente em Port Macquarie e teve o envolvimento de três carros e um caminhão.

PUBLICIDADE

A garotinha de seis anos ficou gravemente ferida, inclusive teve lesões na pélvis, que se quebrou em três locais; uma bexiga rompida, paralisia no lado esquerdo, um fêmur quebrado e uma gravíssima e extensa lesão cerebral.

Um neurocirurgião havia declarado que a chance de morte cerebral da garota era de 99,8% e que não havia muita esperança quanto a recuperação da pequenina. Para fazer um procedimento cirúrgico que durou cerca de 13 horas a criança precisou ser colocada em um suporte de vida. Após a cirurgia a criança permaneceu por 15 dias em uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

PUBLICIDADE

Porém, após o trigésimo terceiro dia a garotinha foi capaz de mover as pernas e reaprender a andar. Ela andou sozinha novamente.

“É incrível, ainda estamos em choque”, disse Anderson ao 9News. A mãe admitiu que há alguns meses, ela nunca pensou que veria a filha andar sozinha de novo tão rapidamente.

PUBLICIDADE

“Mackinlee me surpreende todos os dias com sua determinação. Todos os dias os médicos dizem que ela não pode fazer algo e no dia seguinte ela pode fazer”, disse a mãe. “E ela anda por toda parte agora, ao redor da casa, em todos os lugares. Você simplesmente não pode mantê-la parada”, salientou.

Um grande milagre, não é mesmo?

Escrito por Redator