Menina de 11 anos entrega pedido de socorro para amiga

PUBLICIDADE

Com letras infantis a criança escreveu a lápis num pedaço de papel: “Eu sofro abuso do meu pai” com um desenho indicando tristeza. e o entregou a uma amiga de escola.

Aconteceu em Paulínia, interior de São Paulo. O bilhete foi parar nas mãos do motorista da van escolar usada pela estudante, que o entregou à Polícia Civil. O vigilante José Maria Rodrigues Pinheiro, de 56 anos, pai da menina, foi preso, o homem é suspeito de abusar das três filhas menores.

PUBLICIDADE

Os detalhes do caso só foram revelados pelo delegado Rodrigo Galazzo, depois que os exames confirmaram que a menina teve o hímen rompido. As outras duas filhas, de 10 e 12 anos, também denunciaram os abusos que vinham sendo praticados pelo próprio pai há pelo menos um ano.

Conforme o delegado, o homem admitiu que acariciava as filhas, mas negou ter consumado o estupro. Ainda segundo Galazzo, além do exame médico, os depoimentos das meninas, acompanhados pelo Conselho Tutelar, confirmam de forma categórica os abusos.

PUBLICIDADE

Segundo ele, a mãe das crianças desconhecia a situação, por isso continuará na guarda das menores, que serão acompanhadas pelo Conselho Tutelar.

As meninas já estão tendo atendimento psicológico. Pinheiro teve a prisão temporária decretada por 30 dias, mas o delegado vai pedir a conversão em prisão preventiva. Ele foi levado para uma cadeia pública na região de Campinas.

PUBLICIDADE

Essa garotinha foi muito corajosa e pediu ajuda, mas nem sempre isso acontece.

Vítimas de abuso sexual podem sentir muita vergonha pelo que aconteceu. Algumas até acham que o abuso foi por culpa delas. Os adultos têm condições de avaliar todas as consequências, as crianças não. Isso deixa claro que, se uma criança é abusada, não é culpa dela.

Crianças geralmente confiam nos adultos e não percebem quando alguém está tentando enganá-las. Isso as torna mais vulneráveis. “Molestadores são vigaristas muito bons, e uma criança cai fácil na manipulação inteligente deles”

PUBLICIDADE

Nem sempre as crianças confiam em falar sobre esse assunto ao um adulto e fica difícil poder ajudá-las, temos que ficar atentos aos pequenos sinais.

A Bíblia diz: “O verdadeiro companheiro está amando todo o tempo e é um irmão nascido para quando há aflição.” — Provérbios 17:17.

É compreensível que elas talvez se sintam mais seguras se não falar sobre o que aconteceu. Pode ser que o silêncio tenha se tornado um muro que elas constroem para se protegerem.

Um “tempo para curar”

A pessoa que é vítima de abuso sexual pode ficar com ideias erradas sobre si mesma. Por exemplo, ela pode achar que não vale nada e que só serve para ser objeto sexual de outros. Mas existe um “tempo para curar”. Sim, elas ainda pode se recuperar dessas mentiras. (Eclesiastes 3:3)

Vamos cuidar e proteger nossas crianças, temos que vigiar!

 

Escrito por Redator