Estudantes cristãos de varias partes do mundo estão sendo espancados até que abandonem sua fé

PUBLICIDADE

O grupo de vigilância Christian Solidarity Worldwide (CSW) recentemente fez questão de expor um relatório novinho para mostrar o pesadelo que as crianças cristãs de diversas escolas espalhadas por vários países no mundo sofrem. São atrocidades que vão desde simples castigos até espancamentos por falar na hora errada e conversões de religiões.

A CSW deu o nome de Faith and a Future para o documento, explicaram que chegaram a esta conclusão depois de terem realizados muitas pesquisas em 5 países diferentes, o Paquistão, Irã, Nigéria, México e Mianmar. O relatório informa que os estudantes cristãos são odiados em todos os sentidos da palavra.

PUBLICIDADE

Abusos físicos e psicológicos são feitos contra eles e de acordo com o texto oficial, o impacto desses abusos podem acarretar uma série de problemas futuros e a pressão psicológica não pode ser tão exagerada. A maioria das pessoas que foram entrevistadas pela CSW disse que em algum momento sofreram com as descriminações apenas por suas escolhas religiosas.

Outros disseram que a intolerância, principalmente em locais de estudo é alta. O documento ainda chama a atenção para os problemas que tais abusos podem causar e apontou que Mianmar talvez fosse o pior dos países, existe uma espécie de convertimento de religião nas escolas. Dessa forma o nacionalismo budista sempre se manterá no topo.

PUBLICIDADE

Claro que tudo é feito de uma maneira discreta, não que tal convertimento seja evidente e fique estampado nas televisões e cartazes pelo país inteiro. Trata-se na verdade de um jogo de cartas, as famílias pobres que não possuem condições de cuidar e criar os filhos, oferecer uma educação de ponta, acabam ganhando a oportunidade de ver seus amados bem em todos os sentidos.

Essa oportunidade é nada mais nada menos que uma estratégia, eles dão educação e qualidade de vida para as crianças e quando estão nos monastérios budistas, lugar para onde são levadas, são forçadas sem o consentimento dos pais a participarem de adorações budistas até se tornaram o que eles chamam de monges novatos.

PUBLICIDADE

Escrito por Redator