Essa Mulher descobriu que nariz escorrendo há anos não era alergia

Todo mundo já passou por aquele incomodo quando se tem uma gripe, aquela secreção que escorre o tempo todo, e quando é ima rinite alérgica é ainda pior não é mesmo?

O incômodo da secreção nasal é resultado de alguma reação ou resposta orgânica, e pode ser facilmente confundida com outros problemas, em casos (bastante) raros, o sintoma pode ser sinal de algo mais sério, — como descobriu uma mulher que sofreu com seu nariz escorrendo por dois anos.

A mulher em questão é Kendra Jackson, de 52 anos, de Omaha, nos EUA, e quando todo problema começou, ela pensou que o nariz escorrendo era apenas um sintoma de uma simples gripe ou alergia.

No entanto, como ela não sarava nunca, e seu  nariz não parava de escorrer constantemente, Kendra achou melhor procurar especialistas que a ajudassem a solucionar esse incômodo.

Constante secreção nasal

PUBLICIDADE

O nariz de Kendra escorria tanto que, onde quer que ela fosse, tinha que levar sempre caixas de lenço na bolsa, nos bolsos, nas mãos, e à noite ela tinha muita dificuldade para dormir.

Para piorar a situação, ela também sentia fortes dores de cabeça, e a secreção descia por sua garganta, provocando tosses e espirros constantes, a quantidade de secreção era tanta que tinha dias em que seu nariz chegava a liberar quase 300 ml do líquido!

Kendra seguiu por dois anos inteiros, sem o diagnóstico preciso, sem saber exatamente o que tinha e ouvindo de vários especialista que ela provavelmente sofria de alguma alergia severa, mas que tratamento nenhum resolvia essa ‘alergia severa’.

Foi então que ela resolveu procurar uma esquipe especializada do Centro Médico da Universidade de Nebraska. E foi só depois de muitos exames, e muitas conversas, que os médicos descobriram que a coriza, na verdade, era algo muito mais grave do que parecia.

Eles descobriram que, dois anos antes de começar com os problemas nasais, Kendra sofreu um acidente de trânsito no qual bateu seu rosto com força contra o painel do automóvel onde estava.

Pois o líquido que escorria incessantemente de seu nariz não era uma secreção normal, mas sim líquido cefalorraquidiano — que consiste em fluido incolor que banha o cérebro e ajuda a protegê-lo de traumas no interior da caixa craniana.

Vazamento do liquido

O líquido cefalorraquidiano é produzido continuamente pelo organismo e transporta detritos celulares e outros materiais que não têm mais serventia para a corrente sanguínea para que sejam eliminados.

Segundo os especialistas, em alguns casos — como determinados procedimentos médicos ou traumas, pode acontecer de um pequeno orifício ser aberto na caixa craniana e, assim, o líquido começar a vazar, como foi o caso de Kendra.

O perigo dessa condição é que se não for devidamente tratada, pode elevar o risco de que aconteçam infeções graves, como a meningite, por exemplo.

Kendra teve muito azar e ao mesmo tempo sorte, algo de pior poderia ter acontecido durante esses 2 anos em que ficou sem o devido tratamento.

Identificada a condição real da paciente, ela passou por uma cirurgia para corrigir o “vazamento” e está se recuperando bem.

E o que podemos tirar de lição dessa história de Kendra?

Quando percebemos que há algo estranho com nosso corpo, precisamos ser persistentes, buscar ajuda, não desistir de encontrar alguém que descubra o que temos e nunca ter medo de recorrer a uma segunda, terceira opinião com relação a um diagnóstico, especialmente quando se tratar de algo sério!

 

PUBLICIDADE