China comunista retira à força crucifixos de templos católicos

PUBLICIDADE

(Seguindo o Evangelho) – O governo CHINÊS foi filmado tirando um enorme crucifixo de uma icônica Igreja Católica no último ato de extrema agressão contra o cristianismo.

Não é novidade que a esquerda sempre propagou o totalitarismo e a extinção do cristianismo para dar lugar ao seu extremismo imoral e totalmente libertino.

PUBLICIDADE

Por mais que seja apenas uma fantasia, pode-se notar que Satanás sempre é enaltecido por trás dessa filosofia satânica e ”anticristã”.

PUBLICIDADE

Mas não vim aqui falar de parada gay, ou algo do ”gênero”; vim falar da perseguição que o governo ”comunista anticristão” chinês, tem infligido contra os cristãos daquela região.

A informação é do portal de notícias express.co, onde mostra o vídeo chocante, compartilhado no Twitter por um dos sacerdotes que testemunhou o ato.
O vídeo mostra o momento em que os chefes do Partido Comunista local usam uma grua para remover a última cruz de cima da Catedral do Sul da Igreja Católica de Shangqiu, na província de Henan.
 
Um grupo invadiu a igreja sem qualquer documentação ou notificação oficial e ocupou-a segurando as portas e desligando a energia elétrica.
 
Sacerdotes e freiras denunciaram os intrusos à polícia em vão, já que as autoridades chegaram e confiscaram seus telefones, também os colocaram em ”custódia”, impedindo que alguém entrasse ou saísse da igreja.
 
A remoção das cruzes durou cerca de cinco horas em meio a protestos de funcionários da igreja e voluntários.
Ativistas informaram que, entre 2013 e 2015, mais de 1.200 cruzes foram removidas das igrejas apenas na província oriental da China.

Era isso que a esquerda brasileira queria fazer, destruir o cristianismo para dar lugar ao marxismo libertino cultural. Cristãos, fiquem em alerta!

PUBLICIDADE

A ideologia marxista visa apenas a extinção dos valores morais cristãos, o que para eles seria uma maravilha, já que ficaria mais fácil implantar a liberdade sem limites que tanto almejam.

Escrito por Raquel M.