Silas Malafaia classifica a legalização do aborto como último estágio da degradação moral da sociedade e Eyshila apoia

Silas Malafaia classifica a legalização do aborto como último estágio da degradação moral da sociedade e Eyshila apoia.

A cantora gospel que também é pastora, eyshila compartilhou em sua rede social uma mensagem do pastor Silas Malafaia onde ele fala sobre o polêmico assunto do aborto, Silas Malafaia classificou a legalização do aborto como o último estágio da degradação moral da sociedade.

A cantora afirmou que a solução para uma gravidez indesejada seria a adoção, e não o aborto, ela disse que não deveria sequer existir a questão do aborto, se a pessoa não quer o bebê? Pode até mandar pra ela porque em sua casa há vagas, a cantora fez um apelo às mães que não matem o bebê que não querem, mas que o deem para adoção.

PUBLICIDADE

A cantora reproduziu as palavras do pastor Silas Malafaia, que já se posicionou várias vezes sobre o assunto, e disse que quando o útero de uma mulher se torna um lugar perigoso para o pequeno bebê, estamos chegando ao último estágio da degradação moral de uma sociedade, afirmou o pastor Silas Malafaia.

Silas já deixou claro que não apoia a legalização do apoio em nenhuma de suas fases, pois desde o momento em que já existe a concepção, a mãe que aborta está matando um ser humano, e que o bebê não é um prolongamento do corpo da mãe. Ele é o agente ativo da gestação, e a mãe é o passivo, escreveu o pastor.

Os seguidores do pastor que viram os vídeos publicados por ele concordaram e disseram que outras pessoas deveriam se posicionar sobre o assunto também, em nosso país o aborto é considerado crime contra a vida pelo Código Penal Brasileiro, em vigor desde 1942, o único caso em que não é considerado crime é no caso de estupro, risco para a vida da mãe e feto com anencefalia.

PUBLICIDADE

Muitos líderes cristãos tem se posicionado publicamente contra o aborto por causa dos protestos que buscam a legalização do aborto no país, em alguns países o aborto já foi legalizado, e não é mais considerado crime, já no Brasil é um assunto muito polêmico.

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE